sábado, 8 de abril de 2017

AH, O AMOR

AH, O AMOR

Nos anos anteriores eu evitei ao máximo falar sobre esse assunto, mas por esse ser o último ano eu vou me arriscar a falar nele que é muito cantado, tem muitas histórias bonitas e tristes e mesmo assim continua sendo um assunto complicadíssimo de se tratar. Vou falar de um sentimento lindo, nobre e que às vezes machuca por não ser completamente compreendido na sua essência, dependendo do ponto de vista. Várias músicas falam sobre ele, as novelas se baseiam nele também, os romances que minha tia lia quando adolescente, as Julias, Sabrina, Biancas das bancas de jornal giravam sempre em torno dele. As idas e vindas da vida, os altos e baixos resvalam um pouco nele também. Volta e meia a pergunta é dúvida e a resposta varia muito.

Você faria tudo por amor? Eu sinceramente não sei. Talvez no início, na paixão, pra agradar eu faria, mas logo eu cansaria de ceder se eu não visse o mesmo da outra parte. Aliás a gente sempre põe a culpa na outra parte e nem sempre é assim. Existem vários fatores pra que um relacionamento dê certo e esses mesmos fatores também podem fazer com que não dê certo. Se a primeira impressão é a que fica, a segunda nem sempre agrada.

Só o amor constrói? Sim. Acho que o amor é capaz de mover montanhas desde que ambas as parte, os envolvidos,  se esforcem e concentrem suas energias pra tal. Porque quando um não quer, dois não brigam e a montanha fica parada. Outra frase clichê diz que quem ama não mata. Atualmente discutir essa frase fica difícil, mas fazendo o recorte em termos de relacionamento volto a repetir que fica difícil discutir isso. Não se mata amando ou não. Não se mata e ponto. É um dos mandamentos “Não matarás”. Sei que o amor é cego e isso pode provocar mortes somando-se à cólera, à ira da pessoaapaixonada que comete esse tipo de atrocidade. Não estou defendendo ou amenizando nada nem ninguém. Acho que matou tem que ser julgado e cumprir a sentença expedida pelo juiz seja ela qual for.

Outra pergunta: Amor com amor se paga? Isso já foi até título de novela do início da década de oitenta. Pra mim tudo com amor se paga. A inveja, a descrença, a intolerância, o preconceito. Amor é a moeda mais forte de todos os valores que a gente aprende ou que pelo menos deveria ser aprendido. Sei que promover isso é muito difícil e requer um desapego muito forte de sentimentos. Uma evolução humana quase sublime. Mas sei também que é possível. Só o fato de não odiar já é um grande desenvolvimento interior.

Vamos a outra: O amor transforma. Acredito. Desde que essa transformação não vire exigências, não vire condições pra se amar ele pode ser o motivo, a mola mestra pra muita coisa boa que as pessoas que amam se propõem a fazer para com seus respectivos amados.

Agora vou filosofar um pouco. O amor tem que ser o sentimento mais puro, mais nobre e mais real que existe. Quando fatores externos começam a bombardear o sentimento na mais profunda essência , a luz que o amor emana vai sendo ofuscada até que ela praticamente se apaga , mas não foi por conta da lâmpada que queimou e sim por causa das impurezas do cotidiano que formaram uma crosta em torno do bulbo. Cada um tem um conceito, cada um vê de uma forma, cada um entende de um jeito.


Não há nem nunca vai ter uma formula matemática pro amor. Sempre digo que meu avô cantava uma música que diz que “o coração tem razões que a própria razão desconhece”. Isso é fato. Quando bate o sentimento é difícil não querer. Sentimos borboletas na barriga, como diz um amigo meu. O que estraga é o que vem de fora, seja a pessoa a qual a gente tá gostando  ou seja das circunstancias mesmo. Mas acho que o amor constrói.

Nenhum comentário:

Postar um comentário